27 de jan de 2011

Língua de sinais para bebês

Olá pessoal! Vocês sabiam que alguns pais (ouvintes) estão optando por ensinar língua de sinais para seus bebês ouvintes? A ideia é que o bebê aprenda alguns sinais básicos, como papai, mamãe, alimentos, água, sede, para poder se comunicar antes de adquirir a linguagem oral (período pré-verbal). Assim, o bebê pode se comunicar, controlar sua frustração e desenvolver mais cedo suas habilidades linguísticas. Como a língua de sinais é utilizada juntamente com a língua oral, não há nenhum prejuízo para a aquisição da língua oral da criança.
Existem alguns sites com informações a respeito, além de livros e DVDs que podem ser comprados com lições para os pais ensinarem os seus filhos bebês as línguas de sinais. O recomendável é que se comece a ensinar aos 6 meses de idade, e é normal que a criança demore alguns meses para produzir seus primeiros sinais (embora eu não veja problema de começar antes, assim como a fala, quanto mais interação com seu bebê, melhor!)
A revista CRESCER fez uma matéria sobre o assunto, entrevistou especialistas (com opiniões divididas) e mostra um videozinho com uma dessas lições. Segundo a fonoaudióloga entrevistada, Izabella Santos Nogueira de Andrade "Não faz sentido aprender uma linguagem que logo será substituída pela oral”, o que eu discordo, pois a língua de sinais é uma língua real (e não linguagem), com status de língua e utilizada por muitas pessoas, logo, por que não? Por que a criança não poderá continuar aprendendo sinais depois de adquirir a língua oral?
No filme "Entrando numa fria maior ainda" o personagem de Robert de Niro ensina o neto a se comunicar assim!
No site Signing wiht yout baby você pode ter mais informações sobre o assunto.
O exemplo mais legal e fofo que eu encontrei desse método foi da menina Fireese, do canal do Youtube My Smart Hands. Neste canal, há diversos videos da menina ao longo de seu crescimento, antes do 1° ano de idade, aos 2, interagindo em ambas as línguas com a mãe dela (ASL e inglês), e aos 2 anos e meio, já lendo e escrevendo as primeiras palavras! 

Abaixo, o vídeo da menininha ainda bebê, interagindo com a mãe (muito lindo!)



E você, o que achou? Ensinaria a língua de sinais para seu bebê?
Abraço,
Vanessa.

25 de jan de 2011

Sprint Relay - legendagem para telefones


Olá pessoal! Como prometido, quero comentar com vocês a respeito do telefone com legenda que aparece no videoclipe "See what I'm saying", que mostrei no post anterior. A marca do aparelho é a mesma que aparece no início do videoclipe, a Sprint Relay, que conta com diversas soluções tecnológicas para quem tem dificuldade de audição, fala ou surdez. O aparelho que aparece no videoclipe enquanto a música toca, e então a menina surda sinaliza é o Sprint CapTel, e nos Estados Unidos pode ser comprado por 99 dólares. O aparelho pode ser utilizado para comunicação entre surdos e ouvintes, por exemplo. A pessoa ouvinte fala ao telefone, normalmente, e o aparelho, através da tecnologia de reconhecimento de voz, transcreve aquilo que está sendo falado automaticamente. É mais rápido do que os aparelhos onde a pessoa precisa digitar a mensagem, por exemplo.
E empresa conta com outros aparelhos, como videochamada, ou um serviço de legendagem direto de um celular conectato à internet, ou até mesmo um serviço que faz as legendas para a televisão.
Para maiores informações sobre a empresa, acesse http://www.sprintrelay.com/.

Letra e storyboard do videoclipe do documentário "See what I'm saying"

Olá pessoal! Eu já havia feito um post aqui no blog (AQUI) sobre o documentário "See What I'm Sayng" (Veja o que estou dizendo), sobre artistas surdos. Acabei encontrando outros materiais legais na internet sobre isso, como o clipe que foi feito para o documentário, de mesmo nome, um clipe muito bem feito sobre a relação das pessoas surdas e ouvintes, sobre as possibilidades infinitas do ser humano de interagir, e sobre a necessidade de nós, ouvintes, darmos voz àqueles que se utilizam de outros recursos para se comunicar, como as mãos, o corpo, o rosto....
O vídeo está logo abaixo, e depois, coloco a letra e a tradução dela para vocês. A banda Powder compôs e gravou a música.


Letra e tradução:



I'm here, you're there, you ask me something... [Eu estou aqui, você está aí, você me pergunta alguma coisa]
(But I don't hear you) [ Mas eu não ouço você]
I turn, you've left [ Eu viro, você foi ]
And now there's nothing [E agora não há nada ]
(Unless you touch my shoulder) [ A menos que você toque no meu ombro]
I use my hands, I read your lips [Eu uso minhas mãos, eu leio seus lábios]
I just want to talk to you. [Eu só quero falar com você]

Chorus:
See What I'm Saying [Veja o que estou dizendo]
See what I'm feeling [Veja o que estou sentindo]
See what I'm trying, trying to break through [Veja o que estou tentando, tentando romper]
See what I'm saying  [Veja o que estou dizendo]
See what I'm being [Veja o que estou sendo]
Being myself 'cause I'm supposed to [Sendo eu mesmo porque eu tenho que]
Cause I have a voice like you. [Eu tenho uma voz como você]



You're here, I'm there [Você está aqui, eu estou lá]
We start connecting [nós começamos a nos conectar]
(I know you see me) [Eu sei que você me vê]
We laugh, we cry, communicating [ Nós rimos, nós choramos, comunicando]
So we come together [Então nós ficamos juntos]
I use my hands, I read your lips [Eu uso minhas mãos, eu leio seus lábios]
Now I can talk to you.  [Eu só quero falar com você]

No site oficial do documentário tem também um storyboard muito legal, que são os desenhos que os roteiristas do clipe, no caso, fizeram para planejar como queriam que o clipe fosse feito.



Quem quiser mais informações sobre o documentário, acesse o site oficial: http://www.seewhatimsayingmovie.com/home.html

No próximo post quero falar sobre o aparelho que é utilizado no clipe, uma espécie de telefone com legendas.... Até mais!

20 de jan de 2011

II Congresso Brasileiro de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Língua de Sinais Brasileira

Pessoal, hoje o post foi feito pela nossa nova colaboradora (logo vou postar uma apresentação mais completa sobre ela), a Laura! Ela fez um texto para o blog falando sobre o 
II Congresso Brasileiro de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Língua de Sinais Brasileira, que aconteceu no final do ano passado, para compartilhar conosco. Obrigada, Laura!

Olá pessoal do blog Vendo Vozes!

Cartaz do congresso
A pedido da Vanessa escrevo a seguir meu relato sobre o II Congresso Brasileiro de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Língua de Sinais Brasileira, ocorrido nos dias 25, 26 e 27 de novembro de 2010. O evento foi muito legal, e para mim, visto ter sido o primeiro grande evento sobre o assunto do qual participo - foi uma experiência marcante! Pude, junto com muitos outros colegas intérpretes, apresentar minha pesquisa (leia na íntegra os trabalhos, e veja os powerpoints das apresentações, aqui: http://www.congressotils.cce.ufsc.br/anais.php). O Congresso serviu também para conhecermos a realidade de trabalho dos tils de todas as regiões do país e até mesmo de outros países, como Espanha e Portugal. Algo que me chamou a atenção foi a dinâmica e a organização dos intérpretes do evento: todas as comunicações e palestras foram interpretadas para Libras ou para a LP, quando era o caso. Quando algum dos conferencistas estrangeiros palestrava na sua língua de sinais - como foi o caso da Melanie Metzger na American Sign Language (ASL), entre outros - um(a) surdo(a) intérprete, interpretava para a Libras, e, da Libras, outro tils interpretava para a Língua Portuguesa falada. Ficou confuso?! Num primeiro momento a gente também se surpreendia com a multiplicidade de sinalizadores, línguas e intérpretes num só lugar, mas depois, quando nos acostumávamos àquela dinâmica situação, podíamos perceber e apreender os detalhes, as técnicas utilizadas, o posicionamento dos intérpretes, a atuação dos apoios, entre outros. Ou seja, teoria e prática conviveram perfeitamente, corroborando para enriquecer nossa experiência!
Eu, particularmente, fiquei muitíssimo satisfeita quando o tils que ia interpretar minha comunicação, me procurou, no dia anterior, para discutir e sanar algumas dúvidas quanto ao meu trabalho. Daí percebi o quão importante é, para o próprio palestrante, o contato prévio com seu intérprete, e vice-versa. É aquela situação ideal, né, e que no Congresso pude ver se concretizando na prática. Bom, gente, eu teria muito mais coisas para contar, mas fica para uma próxima oportunidade! Gostaria de saber dos leitores: alguém mais participou do Congresso em Floripa? Tem algum relato pra compartilhar com a gente?
Um abraço a todos!
Áh, pra quem ainda não sabe, aproveito para divulgar, e, para quem já sabe, reforço o lembrete e convite que o Ricardo Sander fez lá para nós: há vários eventos que vão ocorrer neste e no próximo ano relacionado à nossa profissão. Dentre eles destaco a Conferência WASLI, na África do Sul, em julho deste ano e o I Congresso Internacional sobre Surdez, em novembro, na Unicamp.

Laura apresentando seu trabalho no Congresso

Laura A. Kümmel Frydrych

11 de jan de 2011

Ano Novo!

Olá pessoal, neste ano de 2011 eu ainda não havia postado nada, perdão, mas estava aproveitando um pouquinho as minhas férias! Ano novo, novos projetos, sonhos, metas, espero que vocês também tracem coisas boas e bacanas para este ano, que o trabalho e os estudos de vocês sejam recompensadores, proveitosos, divertidos e prazerosos, afinal, nós merecemos, né?

Amanhã, dia 12/11, também completo mais um ano de vida, por isso quero aproveitar esse espaço, que estimo tanto, para agradecer a DEUS por tudo o que Ele tem feito em minha vida! Obrigada, Senhor!

O céu anuncia a glória de Deus e nos mostra aquilo que as suas mãos fizeram.
    Cada dia fala dessa glória ao dia seguinte, e cada noite repete isso à outra noite.
    Não há discurso nem palavras, e não se ouve nenhum som.
    No entanto, a voz do céu se espalha pelo mundo inteiro, e as suas palavras alcançam a terra toda. Deus armou no céu uma barraca para o sol."

E você, o que planeja para 2011?